Contacto -: +239  9923140 -jornaltropical05@hotmail.com

 

 

 

Oceanos. São Tomé e Príncipe pede mais apoios internacionais para promover economia azul

 

O primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Jorge Bom Jesus, pediu esta terça-feira em Lisboa mais apoio da comunidade internacional para promover a economia azul e “corrigir o défice” de emprego no país.

“São Tomé e Príncipe gostaria muito de poder beneficiar de apoios financeiros adicionais, adaptados às reais condições e modalidades do nosso país, de modo a nos permitir consolidar as nossas capacidades para atingirmos plenamente os objetivos fixados no quadro da estratégia para beneficiar o crescimento azul, a iniciativa público-privada e corrigir o nosso défice em matéria de emprego e capacidade de empreendimento da nossa juventude, homens e mulheres”, afirmou o chefe do Governo são-tomense, na sua intervenção na plenária no segundo dia da Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, a decorrer em Lisboa.

Bom Jesus afirmou que o “modelo de crescimento em vigor” em São Tomé e Príncipe exerce “uma forte pressão sobre o ecossistema aquático e os oceanos, bem como sobre o direito das comunidades das zonas costeiras e ribeirinhas”, o que “urge inverter”.

“Impõe-se a todos, e particularmente à comunidade internacional, começar a ver São Tomé e Príncipe com olhos de ver, no sentido de tudo fazer para apoiar o país a estar material, financeira e institucionalmente à altura das suas potencialidades oceânicas e das metas fixadas neste sentido”, adiantou o primeiro-ministro são-tomense.

Jorge Bom Jesus recordou que o país, composto por duas ilhas, “possui uma vasta zona económica exclusiva que é 160 vezes superior ao da superfície terrestre, dispondo de importantes potencialidades para o seu desenvolvimento económico e social, associados a uma economia dos oceanos”.

O primeiro-ministro adiantou que o parlamento de São Tomé e Príncipe deverá aprovar “nas próximas semanas” uma nova legislação para a “estratégia nacional de transição para uma economia azul” em São Tomé e Príncipe.

“Asseguro-vos que logo após a aprovação pela Assembleia Nacional da lei, nada será como dantes. Tudo o que possamos fazer estará alinhado com os eixos e pilares em que assenta a estratégia nacional, exigindo quer no plano nacional institucional, quer no plano de relacionamento com os como nossos parceiros, o alinhamento dos seus programas indicativos com a nossa estratégia”, acrescentou.

Bom Jesus deixou o “firme compromisso e engajamento” das autoridades do seu país para prosseguir “na senda da implementação de um processo de transição sustentado e resiliente” da economia nacional “em direção à economia azul”.

Na sua intervenção, o governante deixou ainda um apelo sobre a criminalidade no Golfo da Guiné.

“Gostava que não se esquecessem do fenómeno da pirataria do Golfo da Guiné e a necessidade de juntarmos as mãos para o seu combate”, afirmou Jorge Bom Jesus. Lusa