IMG-LOGO
   

            

 

 

 

UMP promove conferência internacional em São Tomé e Príncipe

 

 

 

A União das Mutualidades Portuguesas (UMP), em parceria com a Mutualidade de Santa Maria, Federação das Organizações Não Governamentais de São Tomé e Príncipe, Instituto de História Contemporânea
 da Universidade Nova de Lisboa e a Universidade de SãoTomé e Príncipe, vai levar a efeito uma Conferência sobre a proteçãosocial e mutualismo no dia 31 de maio, 8h30, no Hotel Pestana São Tomé,
em São Tomé e Príncipe.

Como pode o mutualismo contribuir para o combate à pobreza em São Tomé e Príncipe? Será este o ponto de partida da conferência internacional “O papel da proteção social complementar para a realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em São Tomé e Príncipe: o caso do mutualismo”, organizada pela União das Mutualidades Portuguesas.

Atendendo ao apelo de várias agências internacionais para a relevância da proteção social no combate à pobreza, a conferência, dividida em três painéis ao longo do dia, visa discutir as potencialidades do mutualismo no desenvolvimento de novas soluções adequadas às necessidades dos cidadãos e das famílias.

Para o debate, são chamadas várias personalidades de relevo, nomeadamente Jurdalene Henriques, Diretora da Proteção Social, Solidariedade e Família, Peregrino do Sacramento da Costa, Reitor da Universidade de São Tomé e Príncipe, Catarina Marcelino, Vice-Presidente do Instituto de Segurança Social, Joana Pereira, Investigadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade NOVA de Lisboa, ou Carlos Vila Nova, Presidente da República de São Tomé e Príncipe.

Estes oradores colocarão em cima da mesa questões pertinentes, como a complementaridade das respostas sociais e diferentes modalidades de benefícios - desde pensões de reforma ou invalidez a assistência médica, enfermagem e medicamentosa - com a ação estatal, enquanto modelo de previdência e proteção social sustentável.

A conferência, co-financiada pelo Camões, IP, é organizada pela UMP, em parceria com o Instituto de História Contemporânea da Universidade de Lisboa, A Mutualidade de Santa Maria – Associação Mutualista, a Universidade de São Tomé e Príncipe e a Federação das Organizações Não Governamentais de São Tomé e Príncipe.