Director: Octávio Soares - Contacto: 00239 9923140 - E-mail:jornaltropical05@hotmail.com / tropical05@hotmail.com - www.jornaltropical.st

 
 
Publicidades
 
 

Transferir STome_logo_cmyk.jpg (1075,9 KB)

PESTANA SÃO TOMÉ
OCEAN & SPA HOTE

Grupo Pestana em São Tomé garante a qualidade dos serviços aos seus clientes  

siga-nos no Facebook

https://www.facebook.com/SaoTomePestana

 

 

 

Progresso da governação em africana está atrasado

 

 

30 Outubro de 2018 O progresso da governação em africana está atrasado em relação às necessidades e expectativas do crescimento da população, constata 2018 Índice Ibrahim de Governação Africana.

Apesar do forte crescimento do PIB nos últimos dez anos, a África não conseguiu gerar oportunidades económicas para a população jovem em expansão.

Dakar e Londres, 29 de outubro de 2018 - O Índice Ibrahim de 2018 da Governação Africana (IIAG), lançado hoje pela Fundação Mo Ibrahim, destaca que o progresso da governação pública em África está atrasado em relação às necessidades e expectativas de uma população crescente, composta principalmente por jovens pessoas.

Durante a última década, a Governança Geral manteve, em média, uma trajetória ascendente moderada, com três dos quatro cidadãos da África (71,6%) vivendo em um país onde a governança melhorou.

Os governos africanos têm lutado para traduzir o crescimento económico em melhores oportunidades económicas sustentáveis ​​para seus cidadãos

Desde 2008, a pontuação média africana para Oportunidades Económicas Sustentáveis ​​aumentou 0,1 ponto, ou 0,2%, apesar de um aumento continental no PIB de quase 40% no mesmo período. Não houve praticamente nenhum progresso na criação de Oportunidades Económicas Sustentáveis, o que significa que continua sendo a categoria de pior desempenho e mais lenta do IIAG.

 Definida como a medida em que os governos permitem que seus cidadãos busquem objectivos económicos e prosperem, a tendência quase estagnada da Oportunidade Económica Sustentável representa um relativo contraste com o crescimento demográfico e as expectativas dos jovens. A população da África aumentou em 26,0% nos últimos dez anos e 60% dos 1,25 bilhões de pessoas do continente têm menos de 25 anos.

Uma imagem divergente em toda a África

Os países africanos mostram uma crescente divergência no desempenho da Governação Global. O progresso continental é impulsionado principalmente por 15 países que conseguiram acelerar seu ritmo de melhoria nos últimos cinco anos. O progresso é mais impressionante na Costa do Marfim, no Marrocos e no Quênia. A divergência também se reflete nas tendências da Oportunidade Econômica Sustentável. Enquanto 27 dos países da África mostraram alguma melhoria, em 25 países, representando 43,2% dos cidadãos da África, o desempenho do Sustainable Economic Opportunity diminuiu nos últimos dez anos.

Não há uma forte relação entre o tamanho da economia de um país e seu desempenho na Oportunidade Econômica Sustentável. Em 2017, quatro dos dez países com maior PIB do continente pontuam abaixo da média africana para Oportunidades Econômicas Sustentáveis ​​e estão na metade inferior do ranking, a saber: Argélia, Angola, Nigéria e Sudão. Enquanto isso, duas das menores economias do continente, Seychelles e Cabo Verde, alcançam a 5ª e a 6ª maior pontuação no fornecimento de Oportunidades Econômicas Sustentáveis ​​para seus cidadãos.

Declínio do ambiente de negócios contraria a crescente população em idade ativa

Chamar atenção é a trajetória da pontuação média africana para o ambiente de negócios. Com uma deterioração de quase -5,0 pontos nos últimos dez anos, esta é uma tendência preocupante, uma vez que o número de africanos em idade activa (15-64 anos) deverá crescer quase 30% nos próximos dez anos.

Isso aumentará a demanda por empregos em um ambiente onde, em média, o progresso na Oportunidade Econômica Sustentável é quase inexistente. Tais números demográficos criam um contraste ainda mais marcante com a queda de -3,1 pontos em Satisfação com a Criação de Emprego desde 2008.

Além disso, o indicador que mede a Promoção da Integração Socioeconômica da Juventude registra um declínio continental médio de -2,3 na última década.

Os resultados da educação estão piorando

Outro motivo de preocupação é a Educação. Enquanto o Desenvolvimento Humano é uma das maiores histórias de sucesso do IIAG de 2018, impulsionado por melhorias na área da saúde, o progresso da educação no IIAG do ano passado agora se transformou em declínio.

Para 27 países, a pontuação da Educação registrou deterioração nos últimos cinco anos, o que significa que, para mais da metade (52,8%) da população jovem da África, os resultados da educação estão piorando. Essa queda é impulsionada por uma queda nos indicadores que medem se a Educação está atendendo às necessidades da economia, à qualidade da educação e às expectativas dos cidadãos quanto à oferta de educação.

O espaço da sociedade civil está encolhendo

O progresso na participação e nos direitos humanos foi feito em média. Quase quatro em cada cinco cidadãos da África (79,6%) vivem em países que progrediram nessa dimensão na última década. No entanto, as eleições executivas "livres e justas" nem sempre se traduzem num melhor ambiente participativo. De forma alarmante, o espaço político e cívico dos cidadãos na África está encolhendo, com o agravamento das tendências em indicadores que medem a participação da sociedade civil, os direitos civis.

Zainab Umarumar.z@moibrahimfoundation.org,

MIF media team, umar.z@moibrahimfoundation.org,

 

 

 

 

   
 

 

CERVEJEIRAROSEMA 

 

   

Transferir STome_logo_cmyk.jpg (1075,9 KB)

   

   
     

 

   
 
 
Jornal Tropical | Todo Direito reservado | Av. Marginal 12 de Julho | São Tomé e Príncipe | jornaltropical05@hotmail.com - 00239 9923140