Director: Octávio Soares - Contacto: 00239 9923140 - E-mail:jornaltropical05@hotmail.com / tropical05@hotmail.com - www.jornaltropical.st

 
 
 
 
 

 

 

 

Covid-19: Variante britânica sofreu mutação… outra vez

A chamada variante de Kent (por ter sido detetada pela primeira vez no condado de Kent, no sudeste de Inglaterra), parece estar já a sofrer algumas mutações genéticas que os investigadores consideram "preocupantes".

Análises em algumas amostras mostram uma mutação já detetada nas variantes sul-africana e brasileira do SARS-CoV-2. Algumas investigações sugerem que esta mutação, a que os cientistas deram o nome de E484K, pode ajudar o vírus a escapar aos anticorpos.

Segundo a BCC, os especialistas a trabalhar com a Public Health England, a agência de saúde pública britânica, sublinham que só encontram meia dúzia de casos da variante britânica com esta mutação.

Todos os vírus sofrem mutações, a sua forma de se adaptarem e continuarem infecciosos, pelo que a comunidade científica tem insistido que não é, de todo, de estranhar o aparecimento de novas variantes e de mutações dentro dessas variantes.

A variante britânica do vírus da Covid-19 continua a espalhar-se pelo mundo e, há dias semanas, já tinha sido detetada em 60 países e territórios.

Já a variante sul-africana, que, tal como a britânica, é muito mais contagiosa do que o vírus SRA-CoV-2 original, está a espalhar-se mais lentamente e estava presente em 23 países e territórios.

A variante britânica comunicada à OMS em meados de dezembro é considerada 50 a 70% mais contagiosa do que o coronavírus original.

Na semana passada, a diretora da Agência Europeia do Medicamento garantiu que tanto as vacinas da Pfizer-BioNtech como da Moderna são eficazes para a variante britânica.

A diretora do regulador europeu admitiu ser “normal que surjam novas variantes do vírus, como acontece com qualquer outro”, razão pela qual a EMA solicitou às empresas farmacêuticas que estão a desenvolver vacinas para a covid-19 que verifiquem o impacto das novas variantes”.

“E se houver a necessidade de mudar as vacinas para acautelar as novas variantes, [questionámos] o que fazer em termos regulatórios”, acrescentou a responsável.

visao.

 

 

 

 

   

 

 
 
Jornal Tropical | Todo Direito reservado | Av. Marginal 12 de Julho | São Tomé e Príncipe | jornaltropical05@hotmail.com - 00239 9923140