Director: Octávio Soares - Contacto: 00239 9923140 - E-mail:jornaltropical05@hotmail.com / tropical05@hotmail.com - www.jornaltropical.st

 
 
 
 
 

 

 

Candidato presidencial Posser da Costa promete pugnar pela estabilidade política em São Tomé

14 .5. 2021

O candidato às presidenciais de São Tomé e Príncipe Guilherme Posser da Costa identificou hoje a estabilidade política e governabilidade do país como a "marca" do seu mandato, caso seja eleito a 18 de julho.

"Quero que seja uma marca da minha magistratura enquanto Presidente da República, irei pugnar pela estabilidade política e a governabilidade", disse, em entrevista à Lusa em Lisboa, o candidato apoiado oficialmente pelo Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD), no poder.

"Eu procurarei ser um presidente-árbitro, que procura consensos. Serei um presidente que tentarei utilizar o diálogo até à exaustão para resolver os problemas que eventualmente possam surgir no relacionamento dos diferentes órgãos de soberania, porque acredito que a garantia da estabilidade política e da governabilidade são duas condições fundamentais para podermos garantir a tranquilidade e a confiança necessárias, quer para os nossos cidadãos quer, para os nossos parceiros de desenvolvimento quer inclusive para a atração de investimentos", sustentou Posser da Costa.

Perante uma "crise política verdadeira" - em contraste com "muitas delas, que são só crises artificiais, movidas por estratégias partidárias" -, o Presidente da República deve ter "uma atuação proativa", promovendo o diálogo e transmitindo "o perfeito conhecimento das competências de cada um dos órgãos".

"Por isso o slogan da minha campanha é `Harmonia e Progresso`. É absolutamente essencial que haja uma maior coesão social para que se crie um clima mais amplo de estabilidade", sustentou.

Antigo primeiro-ministro, ministro dos Negócios Estrangeiros, juiz do Supremo Tribunal de Justiça, entre outros cargos, Posser da Costa, 67 anos, dedicou os últimos 20 anos da sua vida à advocacia.

Uma "verdadeira reforma da justiça" é uma das prioridades da candidatura de Posser da Costa.

"Os são-tomenses não confiam muito na justiça. Acham que a Justiça ainda é um bocado discriminatória. (...) e só é feita para os mais pobres e os mais ricos conseguem passar pela malha da justiça e continuam a cometer os crimes, impunes", considerou.

A sua proposta passa por dois aspetos: a assessoria, para auxiliar os juízes são-tomenses, nomeadamente por magistrados reformados de países lusófonos, e a inspeção judicial, que admite ser "polémica, mas absolutamente necessária".

Num país em crise e muito dependente da ajuda externa, Posser da Costa considera este "não é um processo irreversível" e quer apostar numa "diplomacia económica efetiva".

"No exercício da minha função e eventualmente nos contactos que irei estabelecer com entidades de outros países, mobilizar recursos, sobretudo o investimento estrangeiro direto para o desenvolvimento daqueles setores onde existem mais probabilidades de um desenvolvimento rápido e que possam proporcionar um crescimento mais sustentável para o nosso país", referiu, apontando o turismo, a agricultura e a pesca.

"O nosso desenvolvimento económico passa pela completa consciência da nossa parte que a nossa situação geográfica é propícia para transformarmos São Tomé e Príncipe num país prestador de serviços", sublinhou, acrescentando que o país precisa de "paulatinamente, diminuir o fosso que existe" entre os recursos próprios e a ajuda externa.

Após vários dias a percorrer Portugal para contactar com a comunidade são-tomense, diz que encontrou um denominador comum: "Todos os são-tomenses gostariam de regressar, gostariam de viver na sua terra, gostariam que o seu país tivesse condições para eles terem uma vida saudável e uma vida melhor em São Tomé e Príncipe".

Perante casos de imigrantes que atravessam dificuldades em Portugal, Posser da Costa reconhece que os recursos do país são limitados, mas considera que "o Estado são-tomense não pode continuar a deixar os seus emigrantes, em Portugal ou noutro sítio qualquer, a viver nas condições em que estão".

"Aí, o papel do Presidente da República é extremamente importante e pode ter uma importância capital: procurar, com a sua magistratura de influência e contactos com entidades dos países onde estão os nossos emigrantes, encontrar um quadro", não de privilégios superiores aos de outras comunidades, mas com uma atenção especial por pertencerem à CPLP.

"Nós pertencemos a uma comunidade e achamos que isso faz um pouco a diferença", sustentou.

 Com Lusa

 

 

 

   

 

 
 
Jornal Tropical | Todo Direito reservado | Av. Marginal 12 de Julho | São Tomé e Príncipe | jornaltropical05@hotmail.com - 00239 9923140