IMG-LOGO
   

            

 

 

 

 

 

Desenvolvimento de mãos dadas para um futuro melhor

Em comemoração do 50º aniversário da restauração do assento legal da República Popular da China na ONU

 

 

Em 25 de outubro de 1971, durante a 26ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, a Resolução No. 2758 foi aprovada por maioria esmagadora. Com este documento foi tomada a decisão de restaurar todos os direitos da República Popular da China na ONU e reconhecer os representantes do governo da República Popular da China como únicos representantes legítimos da China na organização.

 

 A Resolução No. 2758 resolveu, no âmbito político, legal, e de procedimento, aquestão de representabilidade da R. P. da China na ONU e nas instituições internacionais. No discurso na Reunião Comemorativa dessa data histórica, o presidente chinês Xi Jinping fez um resumo sobre as contribuições da China para a ONU nas últimas cinco décadas e apresentou propostas importantes para aprofundar a cooperação entre a China e a ONU e promover a paz e o desenvolvimento da humanidade.

 

Sendo sempre construtora da paz mundial,a China tem insistidono caminho de desenvolvimento pacífico. Nos últimos 50 anos, ao realizar seu próprio desenvolvimento, a China sempre defendeu a autoridade e o estatuto da ONU, praticou o multilateralismo, cumpriu fielmente seus deveres e responsabilidades como membro permanente do Conselho de Segurança, e aprofundou continuamente sua cooperação com a ONU. O País é o segundo maior contribuinte ao orçamento regular da ONU e para as operações de manutenção da paz. Entre os membros permanentes do Conselho de Segurança, foi o que disponibilizou a maiorForça de Manutenção da Paz para a ONU, além de defender ativamente a solução política de controvérsias por meios pacíficos. A China foi um dos primeiros países que cumpriram os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio da ONU, contribuindo mais de 70% da redução da pobreza global e fez esforços significativos para o progresso dos direitos humanos tanto no âmbito nacional como no internacional.

 

Sendo sempre propulsora do desenvolvimento global, a China tem insistido no caminho de reforma e abertura. Sempre se enfocando nas necessidades do seu povo, o País está empenhado a alcançar um desenvolvimento de melhor qualidade, mais eficiente, mais justo, mais sustentável e mais seguro. Para vincular seu próprio desenvolvimento ao do mundo, lançou a iniciativa do Cinturão e Rota que tem sido aplaudida por 140 países e 32 organizações internacionais. O País implementou de forma rigorosa a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática e o Acordo de Paris, estabelecendo metas de pico de emissão, neutralidade de carbono e novas medidas para Contribuições Nacionalmente Determinadas. Recentemente o presidente chinês Xi Jinping propôs a Iniciativa de Desenvolvimento Global, o queaspirou a participação de todas as nações com vista de que com o esforço mancomunado da comunidade internacional, se pode superar os impactos da COVID-19 e acelerar a implementação da Agenda 2030, construindo assim uma comunidade global de desenvolvimento.

 

Sendo sempre a defensora da ordem internacional, a China tem insistidono caminho de multilateralismo. Diante dos desafios globais, a China continuará ser fiel à cooperação em vez do confronto, à abertura em vez do isolamento, ao benefício mútuo em vez do jogo de soma zero. Além disso, está determinada a combater todas as formas do hegemonismo e da política de poder, bem como qualquer tentativa de unilateralismo e protecionismo. A China está disposta a unir forças com todas as nações a fim de implementar o verdadeiro multilateralismo, salvaguardar o sistema internacional centrado na ONU, a ordem global baseada no direito internacional e as normas basilares das relações internacionais sustentadas pelos propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas. A China está convicta de que a ONU terá um papel mais ativo na promoção da paz e do desenvolvimento da humanidade, aderindo ao conceito de ampla consulta, contribuição conjunta e benefícios compartilhados, baixo a nova conjuntura com práticas de multilateralismo enriquecidas.

 

50 anos atrás, foram os países amigos em desenvolvimento, inclusive países africanos, que ajudaram a República Popular da China a se integrar na ONU, demonstrando a profunda amizade entre a China e os países em desenvolvimento. A China e a África, comoverdadeiros amigos, irmãos e parceiros, somos forças essenciais para a promoção da paz e do desenvolvimento mundial. Sendo parceiros abrangentes, a China e São Tomé e Príncipe têm se apoiado mutuamente e mantido cooperação estreita no âmbito multilateral como as Nações Unidas, salvaguardando os intresses comuns dos países em desenvolvimento.

 

Este ano marca o centenário do Partido Comunista da China (PCC) e  o 50º aniversário da restauração do assento legal da República Popular da China na ONU. A China está disposta a se esforçar junto com São Tomé e Príncipe e os demais países do mundopara melhorar a governança global, salvaguardar a equidade e a justiça internacional e responder aos desafios globais através de comunicação e coordenação intensificada, a fim de poder ser parceiros em salvaguada da multilateralismo, em construção de uma economia mundial aberta e em promoção de desenvolvimento sustentável para dar maior contribuição ao avanço da humanidade.