IMG-LOGO
   

            

 

 

 

 

 

Ordem dos Médicos são-tomenses não apoia a greve anunciada pelos sindicatos de saúde

O bastonário da Ordem dos Médicos são-tomenses, Celso Matos, disse  que a organização não é apologista da greve anunciada pelos sindicatos da saúde, esperando que haja entendimento entre estes e o Governo.

"Esta questão está ainda ao nível dos sindicatos, embora apresentamos [ao Governo] os problemas que nós conhecemos de saúde, mas nós não somos apologistas da greve. Nós reconhecemos as razões dos sindicatos que estão a fazer o seu trabalho e nós respeitamos", disse o bastonário da Ordem dos Médicos, Celso Matos após o seu primeiro encontro com o chefe do Governo, Jorge Bom Jesus, desde a sua eleição em agosto.

O encontro acontece numa altura em que quatro sindicatos do setor da saúde anunciaram a paralisação geral do sistema nacional de saúde a partir de 22 de novembro, se o Governo não atender as várias reclamações da classe.

Celso Matos precisou que "a Ordem [dos Médicos] não é contra a greve", afirmando que "esta não é a função da Ordem", pois a função da organização é "defender a população no que tem a ver com os assuntos da saúde e que haja melhores condições de trabalho para os profissionais da saúde".

"No entanto, a Ordem respeita que o sindicato busque a sua forma de reivindicação, mas nós, à partida, sabemos que uma greve afeta a população, mas nós reconhecemos que cada um tem o seu meio de reivindicação, mas tem que haver discussões para se chegar a um entendimento", defendeu.

Lusa