IMG-LOGO
   

            

 

 

 

CRIANÇAS DE SÃO TOMÉ CELEBRAM DIA AFRICANO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR COM PAM E PNASE NA CASA DAS NAÇÕES UNIDAS

SÃO TOMÉ – Imagine um programa de alimentação escolar com um menu variado composto por frutos locais como a jaca e  o safu, blegue (cous cous de farinha de mandioca), bolos de casca de banana-prata madura, omelete a moda da terra (enriquecida com vegetais locais) servido durante os 180 dias do ano lectivo no ensino pré-escolar e básico em São Tomé e Príncipe?

 

Em parceria com o Programa Nacional de Alimentação e Saúde Escolar (PNASE), o Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas (PAM) celebrou na terça-feira, 1 de Março, na Casa das Nações Unidas em Sao Tomé e Príncipe, o  7º Dia Africano da Alimentação Escolar, oferecendo um lanche preparado com produtos locais a dez (10) crianças de cinco escolas básicas do país beneficiárias do PNASE.  O lema escolhido pela UA para este ano é precisamente “Desenvolvimento da Nutrição e do Capital Humano em África Através do Aumento do Investimento em Alimentação Escolar Baseada em Produtos Locais”.

 

Dirigindo-se às crianças suas convidadas, a Encarregada do Escritório do PAM em São Tomé e Príncipe, Edna Peres, considerou que o lema deste ano “significa que a alimentação escolar, ou seja, a comida servida nas escolas é muito importante para que as crianças possam crescer saudáveis, possam aprender melhor e possam ser homens e mulheres que no futuro irão trabalhar para desenvolver São Tomé e Príncipe, para desenvolver o continente Africano.”

 

“Quem aqui quer ajudar a desenvolver São Tome e Príncipe? Quem quer ser médico? Advogado? Professor? agricultor?” – perguntou, Edna Peres. As dez crianças levantaram suas mãos, afirmativamente. “Para que possam ter estas profissões, precisam se alimentar bem desde pequeninos para se tornarem homens e mulheres fortes e saudáveis!”, disse Edna Peres.

 

A responsável do PAM recordou que infelizmente em outros países africanos existem milhares de crianças africanas a viver no limiar da fome, da pobreza e da desnutrição, sem acesso a produtos locais saudáveis e a um prato quente diário. ”Estas crianças não conseguem estudar para aprender e realizar os seus sonhos. Por isso, devemos aproveitar e valorizar os nossos produtos, a riqueza da nossa terra e consumir cada vez mais os produtos das nossas hortas, dos nossos quintais e cada vez menos produtos importados e produtos industrializados”.

 

O PNASE fornece alimentação escolar a cerca de 50 mil crianças de todo o país. O PAM, através da ajuda de seus parceiros internacionais, garante o apoio a 20 mil crianças. O PAM também apoia o PNASE e seus parceiros no fomento de hortas escolares, de modo a garantir que as escolas, as famílias e as crianças de São Tomé dependam menos de ajudas externas e se sustentem mais à base de produtos de seus campos, suas hortas escolares e seus próprios quintais.

 

O Dia Africano da Alimentação Escolar foi instituído em janeiro de 2016 pelos chefes de estado-membros da União Africana (UA), em reconhecimento da importância da alimentação escolar baseada em produtos locais para a educação e nutrição das crianças.

 

                                         #                           #                            #

 

O Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas é a maior organização humanitária do mundo, salvando vidas em emergências e usando a assistência alimentar para construir um caminho rumo à paz, estabilidade e prosperidade para pessoas que sofrem com os impactos de conflitos, desastres e das mudanças climáticas.

 J. Tropical