IMG-LOGO
   

            

 

 

 

A insegurança alimentar é uma preocupação real entre os pobres urbanos da África Subsaariana na sequência da pandemia – revela novo relatório - 11 março 2022

 

A situação socioeconómica dos pobres urbanos na África Subsaariana piorou na sequência da pandemia da COVID-19, com milhões de pessoas a enfrentarem insegurança alimentar aguda e subnutrição – revela um novo relatório.

O relatório - divulgado na sexta-feira, 14 pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) e pelo Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas (PAM) - chama a atenção para as vulnerabilidades urbanas e a insegurança alimentar face à pandemia global, revelando que os pobres urbanos em África têm sido afetados de forma desproporcionada.

 

A análise revela que os pobres urbanos dependem frequentemente da economia informal, vivem em zonas superpovoadas, e têm acesso limitado a serviços sociais básicos, incluindo água, saneamento e redes de saúde e segurança social formal. Além disso, os meios de subsistência urbanos na África Subsaariana são menos diversificados, irregulares, instáveis e são predominantemente informais e mais dependentes dos mercados e da economia de dinheiro. Neste contexto, a perda de rendimento combinada com os aumentos de preços devido às medidas de contenção da COVID-19, e o encerramento dos mercados informais dos quais os pobres urbanos dependem para grande parte do seu abastecimento alimentar, minaram a sua capacidade de aceder a alimentos nutritivos.

 

Embora a pandemia tenha afetado todos os segmentos da sociedade, os pobres urbanos que vivem em bairros de lata e aglomerados populacionais informais, que constituem mais de 60% da população total da África Subsaariana, foram particularmente atingidos, com mais de 90% dos casos da COVID-19 registados nas cidades. Estima-se que 68,1 milhões de mulheres, homens e crianças entre a população urbana estavam em risco de insegurança alimentar aguda na África Subsaariana em 2020. Isto inclui 22 milhões na África Central, 16 milhões na África Ocidental, 15,7 milhões na África Oriental e 14,4 milhões na África Austral, representando 15% do total das populações urbanas da região.

 

"A fome e a subnutrição na África Subsaariana estão há muito associadas às zonas rurais. Mas a pandemia está a revelar a face mutável da fome, expondo as vulnerabilidades dos pobres urbanos", disse Chris Nikoi, Diretor Regional do PAM para a África Ocidental.

 

"Este relatório é um alerta para que todos nós aumentemos a segurança alimentar urbana, meios de subsistência sustentáveis, incluindo a proteção social, a fim de capacitar os pobres urbanos e torná-los mais resistentes aos choques", acrescentou.

O relatório, que fornece a primeira análise de sempre da insegurança alimentar e nutricional aguda em ambientes urbanos em 49 países da África Subsaariana, apela aos governos para darem prioridade e reforçarem os sistemas de proteção social e para melhorarem os serviços sociais básicos às populações urbanas, particularmente para aqueles que vivem em áreas degradadas e aglomerados populacionais informais.

"Considerando as atuais tendências de urbanização que são em grande parte impulsionadas por aqueles que migram das zonas rurais para as urbanas em busca de oportunidades económicas e melhor acesso aos serviços, os programas de assistência alimentar devem ser aumentados e adaptados às necessidades dos pobres urbanos, muitos dos quais não têm acesso aos sistemas formais de segurança social", disse Oumar Sylla, Director, Diretor do Escritório Regional da ONU-HABITAT para África.

 

A análise mostra também que em algumas regiões, é necessário um novo tipo de infraestruturas e serviços de apoio para apoiar o desenvolvimento urbano inclusivo em regiões de rápida urbanização em África, face a rendimentos estagnados, e uma crise habitacional cada vez mais grave manifestada através da proliferação de bairros de lata e aglomerados populacionais informais.

"Com o número da população urbana de África previsto para aumentar para 1,5 mil milhões até 2050, as colaborações na conceção, implementação e avaliação de políticas entre governos e agências que trabalham na saúde, água e saneamento e bem-estar social são, em última análise, necessárias para melhorar a programação e abordar as múltiplas dimensões das privações urbanas" acrescentou Sylla.

 

# # #

O Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas é a maior organização humanitária do mundo, salvando vidas em situações de emergência e utilizando a assistência alimentar para construir um caminho para a paz, estabilidade e prosperidade das pessoas que se recuperam de conflitos, catástrofes e do impacto das alterações climáticas.

 

Siga-nos no Twitter @wfp_media; @WFP_WAfrica e @WFP_FR

# # #

ONU-Habitat é a agência da ONU centrada nas nossas cidades, vilas e comunidades. A ONU-Habitat trabalha em mais de 90 países, apoiando pessoas em cidades e assentamentos humanos para um futuro urbano melhor. Trabalhando com governos e parceiros locais, os seus projetos de alto impacto combinam perícia de classe mundial e conhecimento local para fornecer soluções atempadas e direcionadas. A 2030 Agenda para o Desenvolvimento Sustentável inclui um Objetivo dedicado às cidades, ODS 11 - tornar as cidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis.

Milton Machel