IMG-LOGO
Medidas dos países/cidades da UCCLA no âmbito do COVID-19 - ATUALIZAÇÃO (15 de maio de 2020)
Octavio Soares - 18/0/2020

A Covid-19 não tem dado tréguas e, em alguns países, os números são mesmo alarmantes. Contabilizados até ao dia de hoje (15 de maio de 2020) mais de 308 mil mortes e mais de 4 milhões e 600 mil infetados, a pandemia tem trazido grandes mudanças à nossa vida, individual e coletiva. A adoção de medidas para minimizar o impacto provocado pela Covid-19 por parte dos governos, dos diferentes países, tem sido cautelosa e adaptada à realidade de cada um deles. A UCCLA atenta às suas cidades, regiões e empresas disponibiliza, semanalmente, toda a informação útil sobre as medidas que os governos dos diversos países - onde existem cidades, regiões e empresas UCCLA - estão a implementar para reduzir a propagação da pandemia. Conheça todas as medidas através do endereço https://www.uccla.pt/noticias/covid-19-medidas-dos-paisescidades-da-uccla O. Soares

WACA UNE ESFORÇO COM AS ASSOCIAÇÕES COMUNITARIAS DAS MULHERES COSTUREIRA DE SANTA CATARINA PARA PRODUÇÃO DE 14.300 MÁSCARAS
Octavio Soares - 18/0/2020

• O Projecto WACA vai desbloquear cerca de 250 Mil Dobras para a produção das mascaras que sejam distribuídas gratuitamente no arquipelago. Face a pandemia de novo coronavirus que assola o mundo e em particular São Tome e Príncipe que regista a transmissão de vírus da COVID-19 e 7 óbitos confirmado, o Projecto WACA assinou na manhã da ultima sexta-feira o memorando com Associação das Mulheres Costureiras das comunidades de Santa Catarina.

A assinatura decorreu nas instalações do projecto WACA , na cidade de São Tome, rubricada entre o coordenador do referido projecto, Arlindo Carvalho e Associações das Mulheres Costureiras das Comunidades de Santa Catarina para a produção de 14.300 mascaras. O memorando ora assinado entre as partes que envolve os representantes das Associações Comunitárias das Mulheres das comunidades das Praias Loxinga, Cruz, Gambôa, Micoló, Santa

A assinatura decorreu nas instalações do projecto WACA , na cidade de São Tome, rubricada entre o coordenador do referido projecto, Arlindo Carvalho e AssCatarina, Ribeira Afonso, e Malanza com objectivo de terem essas associações de produzirem as mascaras para serem distribuídas a população da referida comunidade na prevenção do novo coronavírus. Sociólogo do Projecto WACA, Olívio Diogo avançou objectivo desta iniciativa indicada pelo projecto “ insere-se no panorama que faz parte do componente do projecto principalmente face ao alastramento da pandemia do novo coronavírus que assola o País. O Projecto WACA instituiu uma parceria com a Associação das Mulheres Empresárias de São Tomé e Príncipe, que concederam estas proprietárias uma formação para que fossem capacitadas na produção das máscaras com eficiência necessária, conforme este sociólogo defende “é neste processo que decidimos colaborar com o Ministério de Saúde para que integrado possamos levar esta acção juntos, para superar a pandemia”.

Conforme as informações prestadas pelo Olivio Diogo, os trabalhos serão desencadeados durante os próximos meses com a produção de 12 mil mascaras para cada comunidade, que possivelmente, já foram disponibilizados os materiais essenciais que a associações envolventes contarão com subsídio proposto pela WACA. A representante das praias, Loxinga, Gamboa, e Cruz, Adilsa Bonfim, sustenta “já estou habilitada na produção das mascaras, na medida para por cobro as tarefas que são estabelecidas”. O. Soares

Associação Geral do Comercio da China em São Tome e Príncipe doa Câmara Distrital de Agua Grande lotes de materiais no combate ao COVID-19
Octavio Soares - 18/0/2020

Um lote composto por materiais de ajuda (arroz, esparguete e óleo e produto de higiene e outros acessórios) foi doado, pela Associação Geral do Comercio da China em São Tome e Príncipe à Câmara Distrital de Agua Grande, no âmbito no combate ao COVID-19 . A entrega foi feita na manhã de sexta-feira no auditório da CDAG. O presidente da Câmara Distrital de Agua Grande, José Maria da Fonseca em primeiro lugar agradeceu Associação pelo gesto e garantiu que a distribuição seja feita as respectivas destinatárias, e considerou o gesto bastante bonito e agradável visto que existem pessoas que deram vidas neste distrito e solidarizam com aqueles que tanto mais precisam”. “A distribuição será feita de acordo com as orientações que associação nos expôs e os beneficiários terão que receber os bens alimentares que nos foram entregues”, disse José Maria. Estamos numa crise sanitária em que é necessário realmente tomarmos alguns cuidados isto porque no nosso distrito a pandemia está a alastrar cada vez mais, disse este responsável. Há cada vês o numero maior de infectados. Então nós temos que ter maior cautela para evitar que a pandemia se alastre, concluiu José Maria. O. Soares

Associação Geral do Comercio da China em São Tome e Príncipe doa Câmara Distrital de Agua Grande lotes de materiais no combate ao COVID-19
Octavio Soares - 18/0/2020

Um lote composto por materiais de ajuda (arroz, esparguete e óleo e produto de higiene e outros acessórios) foi doado, pela Associação Geral do Comercio da China em São Tome e Príncipe à Câmara Distrital de Agua Grande, no âmbito no combate ao COVID-19 . A entrega foi feita na manhã de sexta-feira no auditório da CDAG. O presidente da Câmara Distrital de Agua Grande, José Maria da Fonseca em primeiro lugar agradeceu Associação pelo gesto e garantiu que a distribuição seja feita as respectivas destinatárias, e considerou o gesto bastante bonito e agradável visto que existem pessoas que deram vidas neste distrito e solidarizam com aqueles que tanto mais precisam”. “A distribuição será feita de acordo com as orientações que associação nos expôs e os beneficiários terão que receber os bens alimentares que nos foram entregues”, disse José Maria. Estamos numa crise sanitária em que é necessário realmente tomarmos alguns cuidados isto porque no nosso distrito a pandemia está a alastrar cada vez mais, disse este responsável. Há cada vês o numero maior de infectados. Então nós temos que ter maior cautela para evitar que a pandemia se alastre, concluiu José Maria. O. Soares

OMS alerta para o agravamento da situação alimentar em África
Octavio Soares - 18/0/2020

Roma - A directora regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para África, Matshidiso Moeti, alertou hoje para o agravamento que a covid-19 está a provocar na situação alimentar no continente africano, onde mais de 200 milhões de pessoas estão subnutridas. Durante uma conferência de imprensa online, em que participaram peritos da OMS do Ruanda e do Programa Alimentar Mundial (PAM), sobre a covid-19 em África, Matshidiso Moeti considerou a situação alimentar no continente "uma questão urgente". "A pandemia de covid-19 está a agravar a situação", disse. Igualmente presente na referida conferência, o directora regional do Programa Alimentar Mundial (PAM) para a África Ocidental e Central, Chris Nikoi, afirmou que, se nada for feito, muitos milhares de pessoas poderão ficar sem capacidade de se alimentar por causa do impacto da covid-19. A produção alimentar será "seriamente afectada" se muitas pessoas forem infectadas pela doença, advertiu. Para Chris Nikoi, "é preciso encontrar um balanço entre as pessoas circularem e não difundirem nem apanharem o vírus". Matshidiso Moeti reiterou a necessidade de medidas que evitem a propagação da doença: "Uma das principais medidas para prevenir a covid-19 é evitar as reuniões em massa. O princípio é manter uma distância sempre que possível e incentivar a utilização de barreiras como as máscaras". A especialista reconheceu que "o impacto e propagação da covid-19 não é o mesmo em todas as zonas dos países" e adiantou que a OMS está a trabalhar com alguns Estados e a pedir-lhes que "analisem os dados e levantem as restrições em áreas onde o risco é mínimo". Ao mesmo tempo, alertou para a necessidade dos serviços prosseguirem o tratamento de doenças crónicas, como a obesidade ou a diabetes. Tal como aconteceu na semana passada, Matshidiso Moeti foi várias vezes questionada pelos jornalistas que participaram online no evento sobre o chá com propriedades alegadamente curativas que o Governo de Madagáscar está a promover. "A OMS trabalha há muitos anos com o sector da medicina tradicional em África. Trabalhamos muito para facilitar a colaboração e para incorporar a medicina tradicional nos sistemas nacionais de saúde", disse. E assegurou: "Qualquer medicamento, incluindo esse chá de Madagáscar, terá de ter os seus efeitos cientificamente testados e é isso que estamos a encorajar". "Quando celebrarmos a eficácia deste medicamento, ou outro, será com base nos resultados obtidos em ensaios clínicos", disse. Para já, a responsável sublinhou que não há ainda qualquer sinal de evidência do produto. Em África, há 2.475 mortos confirmados, com quase 72 mil contaminados em 53 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente. A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 297 mil mortos e infectou mais de 4,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 1,5 milhões de doentes foram considerados curados. Angolapress

Covid-19: Mais seis recuperados em Cabo Verde elevam total no país para 67
Octavio Soares - 18/0/2020

“Hoje tivemos informações também que mais seis pessoas tinham condições para voltarem para as suas casas com resultados negativos”, informou o director de Serviço de Prevenção e Controlo de Doenças, Jorge Noel Barreto, Jorge Noel Barreto, na conferência de imprensa, na cidade da Praia, de balanço diário da pandemia da Covid-19 no país. O porta-voz do Governo adiantou que essas pessoas estavam em isolamento na Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde (EHTCV), na cidade da Praia, um dos hospitais de campanha montados na capital cabo-verdiana. Com mais esses seis recuperados, a cidade da Praia, o principal foco da doença no país, passa a registar 17 altas, uma morte e tem agora 208 casos activos do acumulado de 226. Cabo Verde totaliza 289 casos de Covid-19, distribuídos pelas ilhas de Santiago (230), Boa Vista (56) e São Vicente (3). Do total, 67 doentes recuperaram até agora, o maior número (47) na Boa Vista, mais 17 na ilha de Santiago e todos os três em São Vicente, além de duas mortes, dois doentes transferidos para os seus países de origem, com o país a totalizar 218 doentes activos. Cabo Verde cumpre até às 24:00 de 14 de maio o terceiro período de estado de emergência, apenas em vigor nas ilhas de Santiago e da Boa Vista, e ainda hoje o Presidente da República vai anunciar se será ou não prorrogado. A ngolapress